Agora eu quero ver...

sábado, 31 de julho de 2010

Não tenho nenhuma vontade de apaziguar vocês com palavras falsas, ocas e sem valor exortando vocês a amar a humanidade.
As assim chamadas religiões disseram essas coisas a vocês por gerações. Estou aqui para estimulá-los a amar o homem real, para amar seus companheiros — não a humanidade, mas o homem que vive e trabalha junto a você.
Humanidade é apenas uma palavra; humanidade é apenas um rótulo. Você não pode encontrar a humanidade em lugar nenhum. E, assim, a humanidade é fácil de amar porque a única coisa que você tem que fazer é declamar alguns chavões.

A amar o homem real... Essa é verdadeira "prova" do amor.
Osho, “The Long and The Short and The All”.

Desejos são irrealizáveis por natureza

Vivemos em desejo. Desejo significa descontentamento. Desejo significa que, venha o que vier, não é o certo, não é o suficiente — é preciso mais. E o desejo nunca é satisfeito. É irrealizável por sua própria natureza.
Você pode ter tanto quanto quiser, mas, no momento em que tiver algo, o desejo pula à frente, começa a pedir mais. Sua ganância não tem limites. É uma ganância incessante.
É como o horizonte: parece tão perto — você chega lá em uma hora, se correr. Mas nunca chega. A distância entre você e o horizonte continua a mesma, constantemente a mesma, porque não há horizonte — é apenas uma ilusão. A terra não se encontra com o céu em lugar algum, só parece se encontrar.
Assim é com o desejo. Apenas parece que, se eu chegar àquele ponto, se obtiver isto ou aquilo, estarei contente, estarei feliz, realizado. Mas isso nunca acontece.
É preciso compreender o desejo e sua futilidade. Com essa compreensão, o desejo desaparece, e você é deixado em casa em profunda paz. Quando não há desejo, não há perturbação. O desejo é a única perturbação.
Osho, em “Meditações Para a Noite”.

Você no seu meio

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Todo mundo conhece alguma pessoa que está com a vida desencontrada. Ou que não consegue parar no emprego, ou que não fica com nenhum namorado, ou que não consegue fazer a firma render dinheiro, por mais que peleje.. peleje... Ou que tenha a saúde comprometida...
Você, às vezes, encontra com alguém assim. Vai lá ver o que acontece com a pessoa: é a cabeça que não ajuda. E eu não estou falando de despreparo intelectual, nem de falta de inteligência... vocês sabem do que é que eu tô falando!
A pessoa tem pensamentos de atraso, de mesquinhez, de vitivismo, de criticismo. A pessoa se acredita fazendo tudo que é certo, e se as coisas não vão bem, é por causa dos outros, da situação. E sai falando mal do país, do governo, reclamando.
Ah, minha filha, com essa cabeça, você não vai parar em lugar nenhum. Nenhum namorado vai querer saber de ficar com você. E se for assim, e estiver namorando firme, só pode ser por um grande amor, porque aguentar uma cabeça negativa por perto, só com muito amor, mesmo. Ou muita obsessão.
Sabe o que é... é que tanto as pessoas quanto as empresas, os grupos, as cidades, precisam de gente com outro tipo de pensamento: pensamento pra frente, pensamento positivo. Tudo aquilo que eu penso contribui pro meu ambiente de trabalho, ou onde eu moro. Você já pensou, quando você chega numa aula, ou numa reunião, que tipo de pensamento você está levando pra lá? Como é que você está participando da formação daquele meio fluídico?
Será que você é uma pessoa nutritiva, construtiva, no seu local de trabalho ou na sua casa? Ou será que você é o elemento de desarmonia, de derrubar tudo pra baixo, o elemento do negativismo, do coitadismo, da lamentação, ou da crítica, crítica, crítica... Será que você é aquele que fica torcendo pro circo pegar fogo? 
Cuidado, minha filha, cuidado.
Você não pense, ingenuamente, que isto vai refletir nos outros. Isto já está afetando, e muito, você! Porque a resposta aos nossos pensamentos, às nossas posturas mentais, é instantânea. Imediata.
Você plasma com com o seu pensamento as condições da sua própia vida. DA SUA PRÓPIA VIDA. Mesmo que você esteja reclamando da Fulana, criticando o governo, é você mesma que você está prejudicando, porque o primeiro efeito dos seus pensamentos recai no seu própio perispírito, no seu corpo, e no lugar onde você está.
Isso é batata! - Que nem vocês dizem. E se você pensa o mal, o mal está em você; é o seu ambiente, o seu organismo, que você está empestiando com a energia ruim. Pensa que você está atingindo o outro, lá adiante, com a sua força mental? Talvez sim, talvez não... mas é certo que você está atingindo você mesmo, com toda a força.
E aí, não adianta querer que as coisas dêem certo, que as portas se abram, porque você trancou todas as portas, com a sua própia conduta. Você criou para você a energia do desfavorecimento, da dificuldade, do empecilho. E se tiver dor daqui e dali, é por sua própia causa, e não mal-feito, coisa nenhuma: é bem feito! Porque você procurou, você escolheu.
Então, não se maltrate mais. Seja um elemento verdadeiramente contribuinte da paz e do bom humor onde você estiver, acredite no bem, vibre pela solução, não porque vai ser a primeira beneficiada, mas por carinho, por acreditar, por estar cheia de positivismo.
Traga para fora a força das suas qualidades positivas, seu poder de criar o bem em si e em torno de si, esse poder maravilhoso de todos os Espíritos. E pode ter certeza, inclusive, de que a primeira beneficiada será você.


Calunga .

Amor anônimo


Se for pra esquentar, que seja no sol;
Se for pra enganar, que seja o estômago;
Se for pra chorar, que seja de alegria;
Se for pra mentir, que seja a idade;
Se for pra roubar, que se roube um beijo;
Se for pra perder, que se perca o medo;
Se for pra cair, que se caia na gandaia;
Se existe guerra, que seja de travesseiros;
Se existe fome, que seja de amor;
Se for pra ser feliz, que seja o tempo todo!!!


Autor desconhecido.

01 imagem vale mais que 1.000 palavras

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Para quando seu computador travar, ou sua internet estiver lenta, ou aqueles "malas" ficarem te perturbando no msn, enfim, não é Bombril mas tem 1001 utilidades...

Para todas aquelas pessoas que escolheram "reclamar" na vida...

Para "aqueles" dias em que o mundo está testando sua paciência... LIGUE o:



Para aqueles dias em que você decidiu que: "NADA vai estragar meu dia hoje!"


E PARA TODOS AQUELES "IMPREVISTOS" QUE SURGIREM PELO CAMINHO...

E seja MUITO, MUITO, MUITO FELIZ!!!


LUZ & Sorrisos!  :)

Palavra de Criança (4)

Cooperação
... é quando a gente se reúne com um monte de crianças em volta de uma mesa grande; aí cada uma coloca na mesa uma peça de quebra-cabeça que só ela tinha e todo mundo brinca de montar junto.
“Valorize nos grupos as qualidades individuais.”
Liberdade
... é quando a gente brinca de mocinho e bandido e, quando cansa de ser um, finge que é o outro. Liberdade é quando a gente sabe que não é nenhum deles e sabe que é só uma criança brincando.
“Experimente brincar de ser alguém diferente.”
Vergonha
... é quando a gente não aceita a gente mesmo e acha que ninguém mais vai aceitar. Se a gente pudesse ser mais carinhoso com a gente mesmo, ia respeitar mais as escolhas que fez, e não ia ter vergonha de ser quem a gente é.
“Seja mais carinhoso com você mesmo.”
Raiva
... é uma coisa que a gente sente quando as coisas não são como a gente quer. Muita gente acha que a raiva é uma coisa feia, aí elas tentam não ter raiva e ficam com mais raiva ainda e fazem os outros ficarem com raiva também.
“Aceite e acolha qualquer sentimento que exista em você.”


Patricia Gebrim, "Palavra de Criança."

Palavras do GENTILEZA...

Faça um rápido teste de memória. Você cumprimentou seu vizinho hoje de manhã no elevador? Desejou bom dia ao porteiro quando cruzou com ele na portaria como faz todas as manhãs? Deu passagem para o carro que precisava mudar de pista para entrar numa rua transversal? Esperou pacientemente o carro da frente andar sem buzinar quando o sinal ficou verde? Se respondeu negativamente a alguma das perguntas acima, saiba que, além de agir de forma tremendamente mal-educada, você está fazendo mal à sua própria saúde - e à das pessoas que o cercam.


Para o profeta, ficamos cegos e surdos e perdemos a capacidade de ver e ouvir o outro.
"A natureza não vende terra, a natureza não cobra pra dar alimentação para nós. Esse dia lindo, essa luz que está em cima de nós, a nossa vida, ou seja, vem do mundo, é de graça, é Deus nosso Pai que dá. Agora o capeta do homem que é o capitalismo, é que vende tudo, destrói tudo, destruindo a própria humanidade.
Capeta vem de origem capital. É o vil metal faz o diabo, demônio marginal. Por esse motivo, a humanidade vive mal. Mal de situação, mau de maldade, porque o capitalismo é falsidade, o pranto de toda a maldade, raiz de toda a perversidade do mundo. É o dinheiro
O dinheiro destrói a mente da humanidade. O dinheiro coloca a humanidade surda. O dinheiro destrói o amor. O dinheiro cega. O dinheiro mata.
Todo dia você lê jornal, ouve rádio, televisão, só vê barbaridade: é crime, é assalto, é sequestro, é vício, nudez, devassidão, fome e guerra. Vai ver qual é a causa: capitalismo.
Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma, está escrito no livro de Lavoisier. A filosofia tá certinha: nada se cria, meus filhos, porque quem cria é a natureza, é Deus. Nada se perde na natureza de Deus. Tudo se transforma porque morre o nosso corpo, é matéria. Vive o Espírito Santo, quer dizer Deus é luz, nós somos a lâmpada, queima a lâmpada, fica a energia, quer dizer morre o corpo nosso, o espírito não.
Qual é? A católica? Não, Jesus não citou nome de religião nenhuma, Jesus ensinou assim; "Adonde estiver dois ou três reunidos em meu nome, eu estarei." Nesse caso toda religão do mundo poderia ser válida, tem seiscentas e tantas, todas poderiam ser válidas com uma condição: não cobrando. Cobrou, tudo é traidor.
Aí eu digo assim: Meus filhos, quantos Deus nós temos no mundo? Não é um só Deus universal? Então no mundo nós temos que ter uma só religião, uma só casa de Deus, uma só igreja.
Religião é isso: nós estamos retirados uns aos outros, religados a Deus, criador. A casa de Deus é uma só, olha o teto dela, o céu. Todo o lugar que tiver no mundo, tem uma casa de Deus.
Agora adonde está a nossa salvação? Dentro da igreja de oração ou no nosso coração? No nosso coração, né Profeta!? Nós é que somos a verdadeira igreja. O bom coração de cada um, meus filhos, de nós, de vós é a igreja. O altar é o bom pensamento, por isso precisamos de Jesus todo o momento.
Bom coração, bom pensamento. Ninguém pode andar sem Jesus, quem anda sem Jesus, anda nas trevas, sem luz, sem Deus, sem Jesus.
O bom pensamento com Deus, com Jesus é o paraíso. A boa palavra, a porta do Paraíso. O pensamento negativo, poluído de maldade e pervesidade é o inferno. A má palavra, a, porta do purgatório.
Cuidado cabecinha da humanidade, cuidado linguinha. Lá no cemitério tinha uma caveira. Alguém foi no cemitério e perguntou: Caveira, quem te matou, caveira? A caveira respondeu: A língua ferina, é verdade!
Nós estamos no fim dos tempos, justamente eu digo assim: Meu filho, hoje do jeito que nós estamos, estamos no fim. dos tempos, não pode mais condenar a ninguém, porque já tá tudo condenado. Temos que perdoar o pecador, não pode mandar ninguém pró inferno. O inferno tá lotado. Agora nós temos que orientar e mandar para o céu. O céu está vazio. As portas estão abertas, tem lugar pra todo mundo.
Agora muitos me perguntam assim: Adonde é o céu, Profeta? O céu é a mente positiva de cada um, é o paraíso. O mundo não se acaba, o mundo é nosso Pai. Agora tem o fim dos tempos, quer dizer, vai ser espiritualizado.
Até 2000, o diabo está reinando, depois de 2000, ele perde o mandato. Quem vai governar o mundo vai ser o Espírito Santo de Deus. Aí eu mando esclarecer todo mundo, uns aos outros: Espírito Santo são todas as criaturas que respeitam a lei de Deus, que respeitam seu semelhante, esses são o Espírito Santo de Deus.
Agora aquele que desrespeita a lei de Deus, desrespeita seu semelhante, então ele é espírito de porco, então nós devemos fazer uma limpeza no chiqueiro da porcada.
Aí muitos perguntam assim: Mas vai matar, Profeta? Eu digo: Não, não vai matar ninguém porque Deus não cria nós para nós matar, Deus cria nós para nós amar. Ele não mata ninguém, Ele chama, Ele purifica. Agora os filhos que se matam por ele mesmo, que dizer mata o espírito, por desobediência a Deus.
O corpo nosso é o corpo do Pai. Ele é o Criador. Então nosso corpo é a casa de Deus.
O trabalho, nós não devemos transformar em sacrifício, mas sim como esporte de Deus abençoado, o trabalho. Nosso corpo é um maquinaria, não pode parar senão enferruja, tem que dá manuntenção, sempre em circulação, sempre em dia. Mesma coisa somos nós, meus filhos, se nós temos alimentação, temos saúde, devemos ser útil, fazer qualquer coisa de útil. Se nós ficar inútil, ficamos igual ferro velho. Quem não veio para servir, não serve para viver. Deve desaparecer. Não vai morrer porque já está morto, quer dizer morto de espírito.
Às vezes eu vou pela rua, alguém diz pra mim assim:
- Ô maluco!
Qual é minha reposta para ele? 
- Deus te abençoe, meu filho!
Ele não tá me maltratando, ele está me elogiando. Agora aquele que coloca defeito é um apagado, coitadinho, que está mais se apagando, dá mais luz aquele que fica mais iluminado, e aquele que coloca defeito mais apagado. O bom julgador por si é julgado. Não julgue teu irmão mal, senão tu és um mau. Não se julgue mais inteligente, senão não é mais inteligente.
Para mim, meus filhos, todos vós são bonzinhos, são inteligentes, é só usar a boa mente!
Nós não somos donos de nada, nós estamos de passagem. A pessoa espiritualizada nunca morre, morre o nosso corpo, morre a matéria, o espírito não! A matéria é igual a lâmpada iluminada, vai ser queimada, retira a luz, coloca de novo para acender, nós fazemos a passagem, quem é bom nunca morre, agora quem é mau tá sempre morto, morto de espírito."
O profeta Gentileza morreu aos 79 anos, em 1996.
Palavras do Profeta GENTILEZA.

Experimente-se... em tudo

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Procure por todas as alternativas possíveis, mova-se em todas as direções, seja um andarilho, um andarilho no mundo da vida e da existência.

E
não perca nenhuma oportunidade de viver.
Osho, “The Book of Wisdom”.

Para conseguir a paz você tem que fazer a guerra?

A mãe que bate na criança para educar é uma mãe mais atrasada do que a que sabe conversar, que sabe levar o filho de outro jeito. Todo mundo sabe disso. Também a criança está naquele lar porque provocou o seu nascimento ali. Como ela acredita na violência, acaba atraindo para si uma pessoa ignorante e que, portanto, vai agir com violência, infelizmente. Claro que todo o trabalho para a evolução dessa criatura - que a gente possa fazer, um dia, para ela não mais bater no filho - é benéfico: aprender, crescer, melhorar. E todos estão aí para fazer, conforme a boa vontade de cada um. 
Embora cada um só possa aprender aos poucos, há muito o que se fazer no campo da aprendizagem para vencer a ignorância. Mas, de resto, está tudo certo. Todo mundo é certo de acordo com a sua evolução, com seu conhecimento, com aquilo que pode, que aprendeu, que sabe e com o que não sabe. A gente quer tudo maravilhoso. Também está certo querer tudo maravilhoso, porque a gente tem uma força interior que quer melhorar. Quer ver mesmo tudo maravilhoso. Até aí acho bom. Mas por querer ver os parentes bem, não devemos fazer disso uma guerra. 
Senão, vamos partir da idéia de que, para conseguir a paz, temos que fazer a guerra. Aí, vamos brigar com o filho, vamos brigar com o marido, vamos pelejar e nos meter na vida deles, vamos nos queixar e atormentar o companheiro. Eu sei que a sua intenção é boa, mas é um tormento. Pois você está querendo guerrear para fazer paz. Mas isso só vai causar mais guerra, porque vão guerrear com você. 
A pessoa ameaçada, que não tem evolução, vai reagir igual
Quem é igual reage igual.
Quem é violento com os
Outros é violento consigo.
O mundo então vai
Tratar você desse modo.
Você é violento com a pessoa
E ela fica violenta com você. 
Daí as mães, os pais acham que é falta de respeito e abusam da criança. A mãe bate, castiga porque o filho respondeu para ela. Mas ela não percebe que, se foi grosseira com a criança, a criança responde com grosseria, e ela quer logo castigar. É triste ver essa ignorância. A mãe é autoritária e mandona, e o filho que ela tem é perfeito para ela: autoritário e mandão. Cedo ou tarde, ela vai pagar o que fez, porque ele vai devolver na mesma moeda. Ah, vai! 
Por isso, minha gente, o melhor é ficar quietinho, não julgar ninguém certo nem errado, porque não tem nada mesmo errado. Todo mundo está experimentando as coisas. Aquela mãe meio ruim, parece que o filho é submisso a ela. Mas ele vai arranjar uma maneira de se vingar da mãe e de dominá-Ia, fazendo-se de submisso e de bonzinho porém incapaz de trabalhar, e ela vai ter que sustentar o marmanjão a vida toda. É, tudo tem jeito. 
É interessante ver neste país como o povo quer experimentar a liberdade sem saber o que é liberdade. Aí vira tudo libertino. Cada um faz o que quer, sem pensar nas consequências. E quando não pensa nas conseqüências, o povo fica batendo a cabeça, mas isso tudo é bom para aprender. 
Para tudo o que você quer tem um jeito. Se você quer um carro, tem que aprender a dirigir. Se quer um livro tem que aprender a ler. Quer o emprego? Tem que aprender a trabalhar. Quer o dinheiro? Tem que aprender a fazer conta. Não tem nada neste mundo que você possa fazer ou usar sem ter que aprender, sem ter que pagar um preço. Então, se você quer a liberdade, tem que aprender a usar, senão vai se machucar. Claro que não é por causa disso que vamos deixar de tentar. Nós vamos continuar tentando porque, com o tempo, vamos aprendendo. 
Tudo exige aprendizagem. E a evolução é assim mesmo. É no dia-a-dia que a gente vai pelejando, exercitando, aprendendo e vai descobrindo como as coisas funcionam. Está tudo certo, minha gente! 


Calunga, "Tudo pelo Melhor".
a

Lindo poema...

terça-feira, 27 de julho de 2010


"Amar o que eu sou
Todo indivisível que constitui o ser
e o acontecer do meu corpo
no espaço e no tempo.
Amar as coisas que estou fazendo
e o modo como as faço.
Amar as minhas limitações
como amo as minhas possibilidades,
e nos meus acertos e erros
amar o meu projeto, que vai se transformando em obra
no trabalho da construção de mim mesmo.
Amar-me como eu estou, aqui e agora
vivendo a vida simplesmente
naturalmente
com o ar que eu respiro,
como o chão que eu piso
como as estrelas que eu sonho.
Às vezes gostar de mim é um desafio,
-uma prova de fogo -
que revela se eu realmente me amo,
ou se finjo amar-me.
Gostar de mim na perda,
quando a vida me fecha uma porta,
sem nenhum aviso ou explicação.
Gostar de mim quando me comparo com os outros,
com os padrões estabelecidos
de sucesso, beleza, inteligência, poder,
deixando de amar aquilo que sou,
em nome daquilo que me falta
ou daquilo que me sobra
em relação ao meu semelhante.
Gostar de mim quando eu erro,
quando fracasso,
quando não dou conta,
quando não faço bem feito
e ainda encontro quem me critique
ou zombe de mim
por eu ter sido apenas o que eu sou:
- limitado, vulnerável, imperfeito, humano.
Gostar de mim no fundo do poço,
cabeça a mil,
coração a zero,
e ainda assim,
como um amigo fiel, atento e carinhoso
ser capaz de ouvir e de respeitar
as referências do meu próprio corpo.
Amar-me é responder Presente
à chamada do Presente
Estar presente é estar inteiro,
estar inteiro é estar consciente
das partes nem sempre lógicas e coerentes
que constituem o meu ser aqui e agora.
Estar presente é RESPIRAR.
Presente é o presente que a vida me dá a todo momento:
-devo recusar ?
Amar-me é aprender a conviver
com as minhas contradições.
A vida é a síntese de todos os opostos que constituem a vida:
- homem e mulher
nascimento e morte
alegria e tristeza
sucesso e fracasso
acerto e erro
alto e baixo
bom e mau
prazer e dor.
Experimento o verdadeiro auto-amor
quando descubro, sob o véu dos meus conflitos,
a maravilhosa harmonia que existe
entre todos os opostos.
Eu me relaciono com as pessoas
do mesmo modo como me relaciono comigo.
Se eu me amo, não sei te odiar
se eu me odeio, não sei te amar
Se eu me desprezo, não sei te respeitar
se eu me respeito, não sei te desprezar
Como eu me aceitar, se eu me rejeito?
Como te rejeitar, se eu me aceito?
Geraldo Eustáquio de Souza, "Eu comigo, aqui e agora".

Sobre a Moralidade

Trate simplesmente de entender a “facticidade” das coisas. Você nasceu: que esforço fez para nascer? Você cresce: que esforço terá feito para crescer? Você respira: que esforço faz para respirar? Tudo se move por conta própria, por que então preocupar-se? Deixe a vida fluir por si mesma, e você estará indo junto. Não lute nem tente ir contra a corrente,  nem mesmo tente nadar, simplesmente flutue com a corrente e deixe que o leve para aonde quiser levar. Seja uma núvem branca movendo-se no céu: nenhum objetivo, indo para lugar nenhum, simplesmente flutuando. Esse flutuar é o supremo desabrochar.
É, portanto, a primeira coisa a ser entendida: ser natural. Tudo que não seja natural deve ser evitado. Nada faça que não seja natural. A natureza é o suficiente: não podemos melhorá-la.
Mas o ego diz: não, podemos melhorar a natureza, é por isso que existe a cultura. Qualquer tentativa de melhorar a natureza é cultura, e toda cultura é como uma doença: quanto mais culto for um homem mais perigoso será. A natureza é o valor supremo, é o que há de supremo e não pode ser aperfeiçoada. Quando se tenta aperfeiçoá-la, ela é mutilada.
A cultura nos mata, é assassina, um veneno que age lentamente: é o suicídio. Quanto mais culto e civilizado, mais morto. As árvores estão em melhor situação do que você, até os pássaros, os peixes dos rios estão em melhor situação, pois têm mais vida, dançam mais ao ritmo da natureza.
Você esqueceu completamente o que é a natureza. Condenou-a radicalmente. E se quiser condenar a natureza você tem de começar condenando o sexo, pois é dele que emana toda a natureza. A natureza inteira é um transbordamento de energia sexual, de amor. Os pássaros cantam, as árvores florescem: tudo isso é energia sexual explodindo. As flores são símbolos sexuais, o canto dos pássaros é sexual, tudo na natureza é êxtase. De modo que, se quiser destruir a natureza, condene o sexo, condene o amor, erija conceitos morais em torno da vida. Esses conceitos morais por mais belos que pareçam, serão como túmulos de mármore, e você estará em seu interior. Sua moralidade é uma espécie de morte: antes de você ser morto pela morte, você é morto pela sociedade.
Deixe a natureza ser! E não lhe atribua meta alguma. Quem é você para criar metas e objetivos? Você é apenas uma partícula minúscula, uma célula atômica. Quem é você para obrigar o todo a se mover de acordo com a sua vontade?
A natureza, a energia e o êxtase que vêm com o transbordamento, assim como o equilíbrio que se manifesta espontaneamente, são o suficiente. Não é preciso nenhum esforço. Existe tanta beleza acontecendo na natureza sem nenhum esforço: uma rosa é bela sem nenhum esforço, o pássaro canta sem nenhum esforço...
Veja a natureza: tudo é tão perfeito. Será possível aperfeiçoar uma rosa? Será possível aperfeiçoar a natureza de alguma forma? Só o homem deu errado em algum momento. Se a rosa é bela sem fazer esforço, por que não o homem? O que há de errado com o homem? Se as estrelas continuam belas sem nenhum esforço, sem posições de ioga, por que não o homem? O homem faz parte da natureza assim como as estrelas.
Seja natural, e você florescerá. Sinta isso profundamente e todo esforço haverá de perder o sentido. Você deixará de estar o tempo todo providenciando coisas para o futuro, passará a viver aqui e agora, o momento presente será tudo, este momento é a eternidade. Você já é perfeito. A única coisa que falta é que você não permitiu o desabrochar, tão ocupado está em seus projetos.
“O fácil é certo. Comece certo e tudo será fácil.
Continue no fácil, e você estará certo.
O modo certo de estar no fácil é esquecer o caminho certo.
E esquecer que o fluxo é fácil”.
Relaxe na sensação de não ser ninguém. Torne-se parte desse universo relaxado - tão relaxado que você esquece tudo a respeito de facilidade ou do que é certo. Para mim, a iluminação é isso.
OSHO, “Encontro com Pessoas Notáveis”.

Continue caminhando...

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Os viajantes da LUZ se reconhecem pelo olhar. Estão no mundo, fazem parte do mundo, e ao mundo foram enviados sem alforge e sem sandálias. Muitas vezes são covardes. Nem sempre agem certo.
Os viajantes da LUZ sofrem por bobagens, se preocupam com coisas mesquinhas, se julgam incapazes de crescer. Os viajantes da LUZ de vez em quando se acreditam indignos de qualquer benção ou milagre.
Os viajantes da LUZ com frequência se perguntam o que estão fazendo aqui. Muitas vezes acham que suas vidas não têm sentido.
Por isso SÃO os viajantes da LUZ. Porque erram. Porque perguntam. Porque continuam a procurar um sentido. E terminarão encontrando.

Adaptação, “O Guerreiro da Luz” de Paulo Coelho.